Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2011
Imagem
Sem fronteiras Com a queda da exigência do visto na Rússia, México e Caribe francês, os brasileiros estão invadindo praias antes “proibidas” Dólar baixo e aumento no número de voos: combinação perfeita para que mais e mais brasileiros escolham destinos no exterior para a próxima viagem. e nós viajamos - e muito. Cartão de crédito em punho, somos o povo que mais consome nos Estados Unidos e na Argentina. De olho nesse mercado em crescimento, alguns países derrubaram uma das principais barreiras que muitas vezes faziam os brasileiros desistirem de ir para um determinado lugar, o visto. Papelada, taxas consulares e o receio de ter a autorização negada (e acabar, por exemplo, com o sonho de dias de relaxamento em praias paradisíacas de St. Barth, com Kate Moss na espreguiçadeira ao lado) faziam com que, entre o Leste europeu e a Rússia, se escolhesse o primeiro. agora, dá para fazer as duas coisas - e conhecer bem a história de uma região outrora crente nos benefícios do comunismo. Para o M…

HISTÓRIA DOS CRUZEIROS

Imagem
Eles surgiram por pura necessidade de transporte. O S. S. Savannah, primeiro navio a vapor, começou a flutuar em 1819 e sua meta era cruzar o Atlântico e chegar a Liverpool. Ele não afundou no caminho e os passageiros pisaram felizes à terra dos Beatles 22 dias depois. Claro, depois do sucesso da viagem, a história virou moda e a linha de navegação britânica White Star Linescomeçou a construir uma frota de transatlânticos. O mais conhecido deles é o Titanic, mas o maior de todos os navios construídos pela companhia naquela época foi o Britannic. Ele não ficou muito famoso porque logo depois do seu lançamento, foi adaptado para servir como navio-hospital na primeira guerra mundial. Apesar da equipe da White Star Lines construir transatlânticos luxuosos e gigantescos, ela não deu muita sorte com a engenharia de seus navios e nem com as surpresas dos oceanos: O Titanic, como todo mundo já sabe, afundou em 1912, e o Britannic naufragou no Mediterrâneo quatro anos depois. 
A ideia de transp…